Ferreira Gullart

Ferreira Gullart, maranhense, poeta, ensaísta, dramaturgo e crítico de arte, faleceu ontem no Rio aos 86 anos.

Gullart exilou-se no Chile, na união Soviética e na Argentina ferreira-gullarna década de 70. Na época era membro do Partido Comunista e em 2011 declarou em entrevista à Revista Veja que o socialismo fracassou: “Eu, de direita? Era só o que faltava. A questão é muito clara. Quando ser de esquerda dava cadeia, ninguém era. Agora que dá prêmio, todo mundo é. Pensar isso a meu respeito não é honesto. Porque o que estou dizendo é que o socialismo acabou, estabeleceu ditaduras, não criou democracia em lugar algum e matou gente em quantidade. Isso tudo é verdade. Não estou inventando“. Leia mais deste post

Anúncios

Entramos em 2016 com o Novo Acordo!

Começamos o ano com o Novo Acordo Ortográfico em vigor. Você sabe se já está escrevendo segundo as normas? Vamos lá conferir?

Um capítulo da história da língua portuguesa terminou na virada do ano. Depois de um período de seis anos de transição, passam a ser obrigatórias, no Brasil, as regras do acordo ortográfico assinado com Portugal e mais cinco países – Angola, Cabo Verde, Guiné Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe. Só que as regras ainda provocam dúvidas e críticas.

Leia mais deste post

A Língua do Brasil

Ariano-Suassuna

Ariano Suassuna, cadeira nº 32 da ABL, falecido em julho de 2014. Vale a pena ouvi-lo no minuto 1:02:14

Num documentário de pouco mais de uma hora, 16 acadêmicos da ABL (Academia Brasileira de Letras) mostram seus pontos de vista sobre a língua portuguesa, suas diferenças regionais dentro e fora do Brasil relativas a sotaque, vocabulário, regionalismos, identidade cultural, padrões, classes sociais e elite cultural.

Ao interpretar esse vídeo deduzo outra vez que nossa língua é rica, razão suficiente para difundi-la aos quatro cantos. É muito importante que toda pessoa de qualquer classe social possa ter acesso aos diferentes registros, estilos, realidades linguísticas, para assim ter oportunidade de comunicar aberta e livremente, imitar a própria língua seguindo sua essência e descobrir-se através da identidade cultural…

Arremedar a própria língua, que é vagabunda, errante, é da rua, indomável, e só aqueles que a entendem podem fazer uso das suas variantes espontaneamente, sem medo de arriscar, pois sabem (ou não) que quanto mais conhecem a língua portuguesa, maior o risco de se apaixonarem por ela.

 

Glossário

Arremedar – palavra em desuso, que significa imitar, contrafazer gestos ou falas de outrém.