O que é ser FADISTA

“O que é ser…” é um bate-papo informal, imaginando-nos na mesa da cozinha aqui de casa, enquanto tomamos uma caipirinha, feita sem pressa, escutando os pássaros da Casa de Campo de Madrid, cantando ao fundo…

“O que é ser…” são demonstrações das paixões que cada um tem, profissão ou não. São declarações. São intenções. São vidas de pessoas que falam português. São presentes, para nós, leitores. Cada um contando o que é ser o que se é.

Dando abertura à nossa nova seção de convidados, vamos bater um papo informal com a Laureana Geraldes, fadista, cantora, professora, comunicadora de sentimentos através da música. Laureana é portuguesa de Castelo Branco, apaixonada por Lisboa, Madrid e todos os lugares do mundo onde houver alguém apaixonado pela vida, como ela.

 

Sergio Menem, Laureana Geraldes e Hernan Hock

 

Conte em breves linhas a quem não conhece, o que é ser fadista.

Ser é sentir e ter plena consciência do que se é.
E eu sou o que sinto.
Ser fadista é entregar-se de corpo de alma cantando a saudade convertida em melodias acompanhada com o gemer das cordas da guitarra.
É poder cantar e contar histórias marcantes intensas desta e de outras vidas. Que fado é o meu fado!!

 

Como e quando você começou a cantar fados? 

A minha paixão pela música começou desde pequenina, segundo os meus pais e familiares próximos, com 2 anos nas festas ficava ao pés dos palcos dos artistas e dançava a noite toda, se estive a dançar não tinha sono.

Com 8 anos pedi aos meus pais que me comprassem uma guitarra e tive aulas, entretanto a professora pediu-me para cantar e convidou-me a interpretar aquele que foi o meu primeiro fado “A menina das tranças pretas”. Foi uma emoção e era bastante envergonhada mas era uma sensação que gostava.

Sempre estive ligada ao mundo artístico de uma forma ou de outra passei pelo teatro, dança, dei aulas de dança , cantei e dancei em ranchos, fiz parte de um grupo de música popular portuguesa e de um grupo com amigos onde cantava músicas mais do género, pop, rock inglês e português.

Com 18 anos as pessoas pediram-me para voltar a cantar um fado, aceitei o convite, hesitando um pouco, porque acho que não estava totalmente segura, foi realmente uma noite intimista e repleta de sentimento, nesse dia senti que se calhar até tinha jeito para a coisa. Mais tarde recebi um convite para cantar num teatro em Espanha e nesse mesmo ano emigrei para Madrid. Desde então canto todos os fins de semana e sou feliz a cantar fado. Cantei muitos estilos mas é neste, no Fado que me sinto completa e feliz.

 

laureana 3

Fado é sentimento

Como é vista a sua profissão em Portugal? E fora dele?

O Fado é muito bem visto em Espanha e em França que são os dois países, fora de Portugal onde tive oportunidade de cantar. Estou profundamente agradecida ao público espanhol, porque é um público atento, seguidor, fiel e simpático. É realmente gratificante e emocionante cantar aqui todos os fins de semana e ver esse brilhozinho nos olhos das pessoas como se uma nuvem as teletransportasse às ruas dos bairros de Lisboa.

 

O que você recomenda aos que estão começando? 

O Fado está em expansão desde a sua proclamação como património imaterial da humanidade pela Unesco. Mas o Fado sempre fez referência à voz mais genuína do povo português. O meu conselho é acreditarem naquilo que fazem, colocando sentimento nas palavras, dando alma às melodias e que juntamente com isso seja intenso. Seja um fado triste ou alegre, se não for intenso, não é fado fado,o importante é que a mensagem chegue e toque no coração das pessoas.

 

Bate-bola

 

O melhor da profissão:

Os sorrisos, os olhares, o conseguir abraçar as palavras sem tocar e sem dúvida que é uma alegria enorme poder desfrutar disto cantando na língua de Camões mesmo quando a maior parte do público não entende exatamente o que estou a cantar.
Em suma, é bonito ver que entendem que a linguagem daquilo que faço e transmito se entende. A música tem esse poder é uma linguagem universal não tem língua é regida de sentimentos e movida por palavras e histórias vividas por mim ou por alguém.
E claro… os aplausos o artista gosta e precisa disso, né?

 

E o pior:

O pior é chegar a casa e passar de ter tudo, o que referi anteriormente sem esquecer o calor e o carinho das pessoas e de repente sentir aquele silêncio.
Acho que o custa mais é baixar o nível de adrenalina. Talvez seja um pouco exagerado mas é como passar de ter tudo e a não ter nada.

laureana 1

Laureana em ação

 

Um gênio na matéria / fonte de inspiração:

Amália Rodrigues a que marcou todas as gerações do fado, mas depois há muitos outros nomes como Alfredo Marceneiro, Argentina Santos, Lucília do Carmo, Carlos do Carmo, etc.

Estes considero-os a base, ouvimos coisas atualmente mas sempre é importante ouvir a versão, voltar à base.
Atualmente Portugal está muito bem representado por fadistas que também me inspiram, como Ana Moura, Kátia Guerreiro, Marco Rodrigues, Carminho, entre outros. Sou uma pessoa aberta a ouvir tudo acho que só assim conseguimos discernir o bom do razoável até ao mau.

E depois os fadistas da escrita, como lhe costumo chamar, refiro-me aos grandes poetas como Fernando Pessoa, Camões, Florbela Espanca, Manuel Alegre, entre tantos outros.

E sobretudo aos poetas que me incentivaram a arriscar… os meus pais.

Todos eles são importantes de uma maneira ou de outra inspirando-me de maneiras diferentes.

 

O que sua profissão não é:

A minha profissão (ainda) não é a minha profissão principal.
Não é falsa.
Não é forçada.

 

Uma virtude para exercer a sua profissão:

Verdade.

 

Muito obrigada, Laureana! Um prazer contar contigo no nosso blog. Sucesso sempre e um beijo grande!

 

(O texto foi escrito com português variante de Portugal.)

 

Sobre Cristina Pacino
Nascida em São Paulo, residente em Madri. Relações Públicas por decisão. Professora de Idiomas por vocação e mestrado. Paixão por ensinar, vivo para aprender. Quero contribuir para uma sociedade com mais opiniões próprias, ideias originais e criatividade. Acredito que aprender um novo idioma é gerar oportunidades de experimentar a vida sob outras perspectivas. Fundamental: aprender, adaptar-se e mudar. Sigo as palavras de Cora Coralina: "Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina."

2 Responses to O que é ser FADISTA

  1. Laureana disse:

    Cris, muito obrigada pela oportunidade de me expressar sobre aquilo que mais gosto de fazer.
    Adorei a secção e espero que o blog continue a ser uma referência para todos os que o lêem e os que ainda nao tiveram oportunidadade de desfrutar com o que escreves e a forma bonita como o fazes. beijooo

  2. Sempre bem-vinda! Um prazer ouvir as pessoas falarem de si e de suas paixões!

    Muito agradecida sempre a ti, Laure, juntos fazemos essa comunidade de gente que se “bem entende” através da cultura dos países que falam português.

    Beijo grande!

Pode me responder que eu gosto!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: